Grandes negócios nos contêineres

0
356
IMPRIMIR

O Grupo Formitex deve completar nos próximos dias a aquisição da outra metade das ações do Terminal para Contêineres da Margem Direita (Tecondi) do Porto de Santos. Com a compra dessas ações do sócio, o Grupo Barbeito, o Formitex passa a ter 100% do terceiro maior terminal de contêineres do porto santista.

Para completar o negócio, avaliado em R$ 600 milhões, o Formitex exerceu o direito de preferência, cobrindo proposta de outro gigante, a Libra Terminais.

O Grupo EcoRodovias também tinha interesse no negócio.

A transação entra numa lista de outras grandes negociações que atesta a saúde desse mercado de operação de contêineres, que tem previsão de crescimento explosivo no Brasil nos próximos anos:

  1. A APM Terminais, operadora portuária do Grupo A.P. Moller-Maersk, adquiriu, no segundo semestre de 2010, 50% das ações da Brasil Terminais Portuários – BTP – empreendimento ainda em construção no Porto de Santos. Com isso vai ampliar a já gigantesca fatia que detém no mercado mundial de operação de contêineres: 34%.
  2. O Fundo Advent comprou no início de 2011 metade do Terminal de Contêineres de Paranaguá, segundo maior porto do país. O negócio foi avaliado em R$ 750 milhões. O terminal é o único de Paranaguá e movimenta quase um terço dos contêineres operados no Brasil. Os sócios brasileiros e espanhóis permanecem na empresa.
  3. Já em 2009, o terminal da Embraport, ainda em obras no Porto de Santos atualmente, teve 51% das ações compradas por um consórcio formado pela Odebrecht, grupo privado brasileiro, e pela Dubai World, operadora portuária de controle estatal. O grupo Coimex, que comandou o projeto desde o início, continuou no negócio.

Reporto: prorrogação

É bastante provável que a prorrogação do Reporto, antes prevista para o final de 2015, tenha nova data: 31/12/2016. O Reporto representa uma isenção tributária importante para as empresas de dragagem, os centros de treinamento de mão de obra portuária e os terminais e recintos alfandegados. O preço dos equipamentos importados (ou comprados na indústria brasileira) tem uma redução significativa, da ordem de 30%.

A nova data tem como objetivo promover dois ajustes. No primeiro, o mandato do próximo presidente já não conta com esses recursos tributários no primeiro ano. Não dá tempo nem de sentir o gostinho dessa arrecadação. .. E também não fica com aquela espada em cima do pescoço de renovar ou não o incentivo fiscal no primeiro ano.

O cenário portuário está profundamente transformado tecnologicamente desde a adoção do Reporto em 2004, governo Lula. Em 2005, primeiro ano para valer, os setores beneficiados importaram cerca de R$ 40 milhões dos equipamentos incluídos na isenção. No ano passado, os dados que devem ser anunciados nos próximos dias devem apontar que as importações ultrapassaram R$ 700 milhões.

Feira

A Feira Intermodal vai ser promovida pela ABTRA, Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados na semana que em em São Paulo, no Hotel Transamérica: dias 10, 11 e 12. Uma palestra aguardada com muita expectativa pelos sócios da entidade é a do economista e apresentador de TV Ricardo Amorim: Desafios e Oportunidades de Investimentos na Infra-Estrutura Logística Brasileira.

Blog  Paulo Schiff, Por  Paulo Schiff