Empresa de Rio Grande é a primeira a ter embarcação pesqueira para participar da cadeia de exportação para UE

0
220
IMPRIMIR
No Brasil a captura é feita com o método de vara-e-isca viva, modalidade de pesca considerada sustentável por órgãos certificadores internacionais

por Diniz Júnior / Especial

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Aquicultura e Pesca, habilitou a primeira embarcação para participar da cadeia de produtos de pesca para exportação à União Europeia. A embarcação Delfim recebeu a certificação após atender todos os critérios estabelecidos pela Instrução Normativa nº 57, de 31 de outubro de 2019.

O barco pesqueiro é de propriedade da empresa Leal Santos com sede em Rio Grande, que é responsável por mais de 50 % da captura no Brasil, atende o mercado interno e exporta para países que exigem pescado certificado.

Atualmente o Brasil  captura cerca de 25 mil toneladas do atum da espécie bonito- listrado. “A efetivação deste processo consiste em um importante passo da SAP/MAPA no atendimento às recomendações da autoridade sanitária da Comunidade Europeia, para adequação da etapa primária da cadeia produtiva, visando a reabertura de exportações de produtos da pesca a este bloco econômico”, destaca a secretaria em uma nota publicada no site do MAPA.

O manejo sustentável

O bonito-listrado é classificado como altamente migratório. O peixe desloca-se em cardumes desde a costa do Espírito Santo até o Uruguai em uma cadência associada ao movimento das correntes marinhas.

No Brasil a captura é feita com o método de vara-e-isca viva, modalidade de pesca considerada sustentável por órgãos certificadores internacionais. Os peixes são capturados um a um não causando danos aos golfinhos, tartarugas e outras espécies ameaçadas de extinção. Com mais de 127 anos no mercado, a Leal Santos lançou uma conserva de atum em azeite de oliva com certificação internacional de pesca sustentável.

Desde 2013 o professor Lauro A. Saint Pastous Madureira, do Instituto Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande, coordena um trabalho sobre o atum da espécie bonito- listrado que deu origem a um livro denominado Sustentabilidade da Pesca do Bonito-listrado no Brasil. O livro é o produto de três anos de pesquisas, além do trabalho da equipe com a frota de pesca da empresa Leal Santos Ltda. “No livro apresentamos dados sobre diversos aspectos da pesca industrial do bonito-listrado no Brasil. E lembramos que o País que consome 170 milhões de latas de atum por ano, diga-se de passagem, latas que não contêm conservantes”, destacou Madureira.

Segundo o pesquisador, de acordo com a Comissão Internacional para a Conservação do Atum Atlântico (ICCAT) o Brasil pode capturar, de forma sustentável, cerca de 32.000 toneladas de bonito/ano. Os estudos publicados em nosso livro indicam que o estoque está saudável e que, mantido este modo de pesca, poderemos pescar bonito-listrado por muitos anos.

“Precisamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os demais aspectos relacionados ao bonito-listrado, incluindo suas migrações, o potencial máximo de captura, a solução dos gargalos para que a pesca se aproxime deste máximo sustentável no Brasil, assim como os benefícios da ingestão regular deste pescado para a nossa saúde”, concluiu.

Como resultado imediato do trabalho dos pesquisadores a Leal Santos obteve  a redução de 30% do consumo de óleo diesel, emitindo muito menos gases do efeito estufa. O principal motivo dessa redução é a economia de tempo e deslocamento de barcos de pesca, maior precisão da localização de áreas ideais de pesca via satélite. O resultado é a captura por dia de 10 a 15 toneladas do atum.

 

Armadores, empresas pesqueiras e interessados em certificar suas embarcações pesqueiras de produção primária para oferta de produtos à União Europeia e demais mercados podem obter informações sobre os procedimentos de certificação nos links abaixo:

União Europeia: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/aquicultura-e-pesca/pesca/exportacoes-de-pescado-para-uniao-europeia

Mercado nacional e internacional (Exceto UE): https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/aquicultura-e-pesca/pesca/controle-sanitario-embarcacoes