Transporte rodoviário de cargas fracionadas no Brasil, um mercado altamente PROMISSOR

0
553
IMPRIMIR

Por Marco Antonio Oliveira Neves – Diretor da Tigerlog Consultoria e Treinamento em Logística

Os Embarcadores (tomadores de carga) cada vez mais direcionam sua atenção e seus esforços para tornar a atividade logística um verdadeiro diferencial de competitividade de mercado, e nesse contexto as empresas atuantes no segmento de carga expressa, courier e carga fracionada assumem papel importantíssimo nessa transformação de valor dentro da cadeia de abastecimento.

 

Nunca foi tão verdadeira a questão dos 8 Rs da logística: right material (material correto), right quantity (quantidade correta), right time (tempo correto), right place (local correto), right cost (custo correto), right quality (qualidade correta), right method (método correto) e right impression (impressão correta). Não existem escolhas; ou as empresas se capacitarão para atender ao mercado consumidor de forma competitiva, ou perderão mercado gradualmente, até inviabilizar a sua existência.

 

Vários fatores têm contribuído para uma maior valorização e “protagonismo” do setor de cargas expressas, courier e carga fracionada no Brasil e no mundo, como:

 

– aplicação de novas técnicas de gestão, objetivando acelerar o fluxo de materiais na cadeia de abastecimento e reduzir os estoques

 

– pressão por informação on-line, real time

 

– maior inserção do Brasil no comércio mundial, ampliando as suas exportações e importações

 

– aumento das vendas no comércio eletrônico

 

– a interiorização da economia brasileira, com o desenvolvimento econômico das cidades localizadas no interior dos Estados mais ricos do Brasil

 

– a multiplicação de restrições à circulação de veículos de carga nas cidades nos horários convencionais

 

– a atomização dos pedidos, ou seja, compras em lotes cada vez menores e mais frequentes em todos os elos da cadeia de abastecimento

 

– o aumento do número de itens comercializados

 

– a importância da logística reversa

 

– maiores exigências por parte das empresas gerenciadoras de riscos e seguradoras

 

Em transição para um ambiente cada vez mais dinâmico e menos estático, onde se prioriza o fluxo das informações e dos materiais, as empresas estão colocando em prática conceitos como Just-in-Time (JIT), Quick Response (ou Resposta Rápida), Reposição Contínua, Logística Enxuta, etc., requerendo níveis de serviços diferenciados e consistentes de seus parceiros em transportes. Informação em tempo real, disponível a todo momento em que for requerida, será crucial para a viabilização dessas novas técnicas de gestão.

 

Nos últimos anos especialmente, o Brasil apresentou resultados extremamente favoráveis em suas importações e exportações. A chamada corrente de comércio internacional, que leva em conta as exportações e as importações brasileiras atingiram um recorde de US$ 482,3 bilhões em 2011, 111% superior ao valor registrando em 2006, de US$ 228,9. Uma maior dependência do setor externo e uma maior interação com outros países e blocos econômicos leva necessariamente o Brasil a atuar de forma mais competitiva, reduzindo os efeitos negativos do famoso “custo Brasil”. Como parte importante da engrenagem dessa complexa logística de importação e exportação, a carga fracionada é diretamente afetada e pressionada por melhores resultados.

 

O rápido avanço do comércio eletrônico contribui de forma decisiva para o desenvolvimento das Transportadoras e Operadores Logísticos. Em 10 anos o comércio eletrônico no Brasil saltou de R$ 0,54 bilhão em 2001 para R$ 18,70 bilhões em 2011, segundo o website www.e-commerce.org.br. Isso corresponde a um aumento de 3.363%. Esse valor não considera vendas de automóveis, passagens aéreas e leilões on-line.Dentre os produtos mais vendidos estão os eletrodomésticos (15%), informática (12%), eletrônicos (8%), produtos de saúde e beleza (8%) e modas e acessórios (8%). Com o avanço na venda de celulares inteligentes (smart phones) e com o maior acesso das classes C e D à internet, o comércio eletrônico deverá continuar crescendo a taxas exorbitantes, pressionando as empresas convencionais e ponto.com a investir cada vez mais recursos financeiro no desenvolvimento e adequação da sua rede logística, não apenas para o atendimento das entregas em grandes centros urbanos, mas também em pequenas e médias cidades situadas ao redor dos grandes polos econômicos.

 

Mudanças no perfil da operação em função da “atomização” dos pedidos, do aumento do número de itens comercializados, da popularização dos mecanismos de logística reversa, do aumento das restrições à circulação dos veículos nas regiões urbanas e de um maior nível de exigência por parte das gerenciadoras de risco levarão a um considerável aumento no nível de fracionamento das cargas. A grande maioria dos Embarcadores, em 2000, convivia com apenas 10% a 30% de cargas fracionadas; em 2005 isso já representava 40% a 60% e em 2010 ultrapassaram 60% a 80% do total expedido. Nos últimos 10 anos, segundo levantamentos realizados nos EUA, o peso médio por embarque diminuiu em 10% no transporte aéreo doméstico e 5% na carga fracionada transportada no modal rodoviário.

 

Em função de tudo isso, podemos dizer que esse mercado composto por empresas de cargas expressas, couriers e cargas fracionadas é EXTREMAMENTE PROMISSOR. O mercado continuará se expandindo a taxas superiores a da economia em geral, e também acima de outros serviços logísticos. Análises realizadas nos EUA apontam que a receita das empresas de transporte de carga fracionada (US$/ton/milha) mais do que dobrou nos últimos 30 anos, principalmente em função de uma maior consolidação das cargas, maiores volumes e de preços superiores devido aos requerimentos dos serviços exigidos.

 

Se a sua empresa já atua na prestação de serviços de cargas expressas, courier e carga fracionada, procure rever suas práticas de gestão, seus processos-chave, suas ferramentas tecnológicas, seu modelo operacional (e os custos decorrentes) e definir uma eficaz estratégia de mercado para a abordagem adequada dos segmentos potenciais.

 

Se a sua Transportadora ainda não explora esse tipo de mercado, é bom parar e reavaliar o seu posicionamento estratégico. Mas tenha muito cuidado, pois trata-se de uma operação altamente complexa, e nela, qualquer erro poderá ser fatal! A questão é: ficar de fora e não explorar essa excepcional oportunidade ou arriscar e investir importantes e limitados recursos em algo realmente desafiador?

 

A sorte está lançada!