Rio Grande vai ter primeira Central de Transformação de Resíduos Sólidos Urbanos

0
287
IMPRIMIR

A proposta da Prefeitura do Rio Grande de criação de uma Central de Transformação de Resíduos Sólidos Urbanos foi votada e aprovada, com uma emenda, pela Câmara Municipal.

O projeto, que passa a vigorar como lei (Lei N° 8.432/2019) após a aprovação da Casa, versa sobre a construção no município de uma usina para transformação do lixo na produção de energia, adubo orgânico e utensílios de base polimérica e contratação de operação de crédito junto ao Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) para a execução do projeto da Central.

A iniciativa da administração municipal visa dar uma destinação sustentável à grande quantidade de material inservível e orgânico recolhido diariamente nas ruas de Rio Grande. Hoje a Prefeitura, através do trabalho de 20 equipes de Serviços Urbanos, retira cotidianamente das vias do município cerca de 60 toneladas de resíduos inservíveis, uma quantidade expressiva, e que já foi bem maior há alguns anos.

A medida também responde à demanda do Ministério Público para que o Município de Rio Grande recupere a área impactada ambientalmente do Antigo Lixão e Bota-Fora desativado (Depósito de Inertes), localizado no Bairro Maria dos Anjos. A implantação do projeto quer, ainda, atender à Política Nacional de Resíduos Sólidos de 2010, à Política Nacional de Saneamento Básico de 2007, além de atender, também, aos pressupostos de Desenvolvimento Sustentável promovidos em escala global pela ONU, dos quais o Brasil é signatário.

Modelo de operação

O secretário de Serviços Urbanos de Rio Grande, Dirceu Lopes, explica como a Central vai funcionar. “O modelo a ser implementado pela municipalidade contempla o gerenciamento global de resíduos domiciliares urbanos gerados pela comunidade do município. Nele, nós vamos dar o tratamento diferenciado e transformar esse material em diversos outros materiais, através de uma triagem e desidratação de resíduos de valor agregado, se distribuindo em dois eixos. O primeiro, a fração orgânica, destinada à produção de biogás, que vai se transformar em energia ou em fertilizantes e compostagem. O segundo, a fração sintética, que vai trabalhar a matéria-prima polimérica, que vai se transformar em peças de alto valor agregado, como meio-fio, pavers (tipo de piso), manilhas para esgoto, canos, bancos, filtros, fossas, sumidouros, entre outros”. As peças foram escolhidas pensando nos itens que o município vai precisar utilizar nos períodos seguintes.

Do ponto de vista da construção, a Central, nos moldes em que vai ser concebida, é o somatório de diversas experiências existentes em outras cidades do Rio Grande do Sul. “O projeto que vai ser implantado aqui em Rio Grande terá uma forma mais completa, trabalhando vários grupos de resíduos sólidos urbanos, e não apenas só um ou outro”, disse Dirceu.

Educação Socioambiental

A criação da Central não elimina, por si só, o problema dos entulhos descartados indevidamente pelas ruas da cidade, nem a quantidade de lixo produzida, que passam por diversos aspectos, entre eles o da educação ambiental. Mas, por outro lado, auxilia na construção de uma cultura de cuidado com o meio-ambiente e de uma cidade mais limpa e se soma a outros projetos já implantados pela municipalidade, como os de sustentabilidade nas escolas da rede municipal e o projeto “Reutilizar”, que transforma pneus em brinquedos para crianças. A instalação da usina vai também ao encontro das diretrizes do programa da administração municipal, que propõem a busca de inovação num trabalho voltado ao Desenvolvimento Humano e Sustentável, a Proteção à Vida, e a Sustentabilidade Socioeconômica e Ambiental.