Porto do Rio de Janeiro prossegue com manobras experimentais noturnas no Canal de Cotunduba

0
113
IMPRIMIR

Nesta sexta-feira (7), a partir das 19h, acontecerá a quarta manobra experimental noturna da segunda fase do “ramp up”, que terá um total de seis manobras com navios de 286 a 306 metros de comprimento, no Canal de Cotunduba, principal acesso ao Porto do Rio de Janeiro. O processo de transição, que ainda terá uma terceira fase de testes, é necessário porque o canal ganhou uma nova e moderna sinalização náutica que permitirá a navegação noturna com segurança para navios de grande porte.

Nesse sentido, a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) volta a alertar pescadores, velejadores e demais navegantes de pequenas embarcações na Baía de Guanabara para que deixem livre essa via de navegação, popularmente conhecida como “Canal Varrido”, e que redobrem a atenção para a entrada e saída de grandes navios, no intuito de evitar acidentes. Para a segurança de todos e eficiência das manobras, lanchas da CDRJ fazem a varredura do canal antes das manobras dos navios, com ajuda de lanchas da Capitania dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ) e da Praticagem RJ.

O assunto foi tratado essa semana durante reunião mensal do Grupo de Trabalho (GT) que discute projetos para melhoria do acesso aquaviário ao Porto do Rio de Janeiro. Coordenado pela CDRJ, o GT é composto também por representantes da Marinha do Brasil (MB), da Praticagem RJ e das empresas arrendatárias dos terminais MultiRio, ICTSI Rio e Triunfo Logística.

A pauta da reunião também incluiu o andamento da implementação da 1ª Fase do Projeto do VTMIS até o 1º Trimestre de 2021, que prevê a operacionalização de um Local Port Service (LPS) nos portos administrados pela CDRJ. Outra questão tratada foram as simulações de manobras de navios de 366m de LOA, que serão realizadas na Universidade de São Paulo (USP) no período de 24 a 26 de agosto.

O grupo discutiu, ainda, as minutas das Instruções Normativas da CDRJ que irão regular os “Calados de operação e procedimentos técnico-operacionais no Porto do Rio de Janeiro” e a “Utilização de Folga Dinâmica Abaixo da Quilha (Calado dinâmico) nos Portos do Rio de Janeiro e Niterói”.