A mudança climática pode quebrar um país?

0
519
IMPRIMIR
1448324261_007791_1448324370_noticia_normal
                            Uma tempestade tropical. / banco mundial

Por EL PAÍS

As chuvas intensas chegaram a Dominica após uma estação extraordinariamente seca. A combinação de rachaduras no solo ressecado e chuvas torrenciais desencadeou deslizamentos e desprendimentos de encostas, causando danos importantes em estradas, pontes, casas e campos de cultivo.

Em poucas horas, os fortes ventos e as chuvas destruíram obras de infraestrutura que o pequeno país, de pouco mais de 70.000 habitantes, levará mais de cinco anos para recuperar a um ritmo normal de investimento.

Os danos e perdas totais são estimados em 483 milhões de dólares (1,8 bilhão de reais), equivalentes a 90% do Produto Interno Bruto (PIB) de Dominica, segundo a avaliação rápida de danos e impactos realizada pelo governo da ilha em conjunto com o Banco Mundial, a União Europeia, a ONU e outros sócios.

O fenômeno – ocorrido poucas semanas atrás – também deixou 11 pessoas mortas, interrompeu o fornecimento de energia elétrica e água potável e obrigou o fechamento do aeroporto. É um golpe importante para esta economia pequena, que acabava de retomar o crescimento graças à recuperação do setor turístico na região.

Pequenos e ameaçados

Cada vez mais, os pequenos países insulares do Caribe, como Dominica, enfrentam incidentes climáticos extremos. Muitos cientistas atribuem à mudança climática o aumento no número e na intensidade de furacões e tempestades.

De acordo com o estudo Baixemos a Temperatura, do Banco Mundial, estima-se que o número de furacões severos terá um aumento de 40%, duplicando a intensidade dos atuais, se a temperatura subir 2 graus centígrados. E de até 80% se a temperatura subir 4 graus. Junto com o incremento do nível do mar, isto terá efeitos devastadores, especialmente no Caribe.

Uma exposição cada vez maior aos desastres naturais representa uma ameaça real às perspectivas de desenvolvimento caribenho. Isto se tornou a maior prioridade dos governos da região, que participam das negociações climáticas internacionais prévias à 21a Conferência do Clima (COP21), que será realizada em Paris dentro de duas semanas. Os governos contam com o apoio das organizações internacionais de desenvolvimento que operam na região.