Vamos continuar lançando esgotos nos rios até pelo menos 2054

0
524
IMPRIMIR
02
Esgoto despejado no ambiente na favela São Nicolau, em São Paulo, em foto de 2011 (Foto: Instituto Trata Brasil)

por Bruno Calixto / Revista Época- blogdoplaneta

Talvez você não saiba, mas é possível que a sua casa, esteja ela em um bairro rico ou pobre, em uma cidade grande ou pequena, não tenha tratamento adequado do esgoto. Em todo o Brasil, só 39% das casas contam com todas as etapas de um saneamento básico adequado: abastecimento de água, rede de coleta e tratamento de esgoto. Mesmo cidades influentes e turísticas, como o Rio de Janeiro, não conseguem tratar o esgoto de toda a população. Só metade das casas dos cariocas tem o tratamento adequado, segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS).

>> Outros países mostram que despoluir rios, lagos e baías não é impossível

Não é segredo nenhum que esgoto não tratado provoca doenças e polui rios e córregos. Logo, saneamento básico deveria ser prioridade. Só que não. No final de 2015, a presidente Dilma Rousseff publicou um decreto adiando em dois anos a entrega dos planos municipais de saneamento. Ou seja, as cidades podem ficar até 2017 sem apresentar qualquer planejamento para enfrentar a questão e sem sofrer nenhuma punição ou cobrança por isso. Não por acaso, um estudo recente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) calculou que vamos demorar o dobro de tempo para conseguir levar saneamento para toda a nossa população. Segundo esse estudo, se continuarmos nesse ritmo, isso só acontecerá em 2054.

Por que é tão difícil universalizar o saneamento no Brasil?

Um problema histórico

“É difícil universalizar o saneamento por uma falta de foco histórico. Não se investiu no passado, e hoje temos um grande deficit para tirar o atraso”, diz Édison Carlos, do Instituto Trata Brasil, uma ONG criada para defender políticas em prol do saneamento.

>> Cidades da Amazônia estão na lanterna no ranking do saneamento básico

Carlos explica que o “básico” não está no nome do saneamento à toa. É um tipo de infraestrutura que deveria ser a primeira coisa a ser construída numa cidade. São três etapas. A primeira é o abastecimento de água. Construir redes e tubulações para levar água potável para a população. A segunda é a coleta do esgoto. Novas redes, diferentes da de abastecimento, para recolher a água suja. Por fim, a terceira etapa é a de tratamento. Essas redes têm de terminar em uma estação de tratamento, que vai limpar a água antes de devolvê-la para os corpos d’água – rios ou mar.

17580288_10154244085715964_1872344263_n