Reportagem II: Os guardiões dos oceanos

0
358
IMPRIMIR
Nessa reportagem vamos mostrar que mesmo com grandes obras é possível manter uma relação sem conflitos entre o progresso e o ambiente. Exemplos como os botos e os leões marinhos que no Sul convivem com as obras de ampliação dos Molhes da Barra do porto gaúcho; em Imbituba, Santa Catarina, as baleias escolheram a região de acesso ao porto para procriarem; na Dinamarca, botos convivem próximas às gigantescas plataformas de petróleo do Mar do Norte.

Harbour porpoise Phocoena Phocoena

Desde 2007, a Maersk Oil acompanha os botos em torno das plataformas

O projeto visa avaliar os resultados do impacto dos ruídos subaquáticos de petróleo e de gás sobre as atividades dos mamíferos. Steffen Bach trabalha como biólogo marinho na Maersk Oil há nove anos e conduz o projeto. “O impacto do ruído sobre a vida marinha é um tema que tem recebido muita atenção na Europa. Precisamos saber mais sobre esse assunto, a fim de tomarmos as decisões corretas”, avalia Bach.

Os botos estão presentes ao redor das plataformas na Dinamarca, o que reforça a ideia de que as plataformas offshore funcionam como recifes artificiais que atraem peixes. “Até agora os resultados indicam que não temos um impacto global negativo sobre a sua presença na área, mas ainda é muito cedo para chegar a uma conclusão definitiva”, conclui o biólogo.

Maersk Oil marine biologist Steffen Bach. Foto Solvin Zankl, Fjord & Bælt

Bach: “Precisamos saber mais sobre esse assunto”

Botos ameaçados pelos pescadores convivem com grandes obras

De um lado, o Oceano Atlântico. Do outro, águas que vem dos rios gaúchos e do Uruguai. Essa mistura de águas doce e salgada cria uma receita ideal de alimento, um verdadeiro bufê para peixes, aves e golfinhos. Na Região Sul, mamíferos brincalhões são chamados de botos.

O projeto Botos da Lagoa dos Patos, do Laboratório de Mamíferos Marinhos do Museu Oceanográfico da Universidade Federal de Rio Grande (Furg), monitora os animais desde 2002. O coordenador Pedro Fruet alerta que a mortalidade vem crescendo a cada ano, em função da interação desses mamíferos com as redes de pesca. “Quando ficam presos, morrem afogados ou têm ferimentos sérios, que geralmente os conduzem à morte. Logicamente, os pescadores não querem matá-los, mas eles acabam morrendo por asfixia”, explica o biólogo Pedro.

DSC00679

Equipe do Museu monitora os animais há oito anos

Bow ridden_trio_baixa resOs botos nadam nas águas próximas aos

molhes que ligam a lagoa ao mar

 

 

rede corta dorsal_baixares_close

Curiosamente, os botos ficam em uma área onde ocorrem duas grandes obras portuárias: a ampliação dos molhes do porto gaúcho e a dragagem do canal de acesso, essenciais para tornar Rio Grande o principal distribuidor de cargas do Sul do Brasil, que tem um movimento anual de cerca de 2 500 navios. Não se tem notícia de nenhum acidente ligado às obras de infraestrutura envolvendo os botos. “O objetivo principal da pesquisa é monitorar a longo prazo essa população, ou seja, saber até que ponto ela está ameaçada ou não pela ação humana”, explica o biólogo Pedro Fruet. Na foto uma nadadeira cortada por uma rede de pesca.

Botos11 Após se enrrolarem nas redes os botos morrem por asfixia

 

 

Lobos e Leões-marinhos usam os Molhes da Barra como refúgio

Técnicos do Projeto Mamíferos Marinhos do Litoral Sul, desenvolvido pelo Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental, monitoram leões-marinhos que utilizam o Refúgio da Vida Silvestre (Revis), localizado no Molhe Leste (situado do lado de São José do Norte).

O refúgio compreende uma área de 1.000 metros de comprimento por 250 metros de largura, onde antes era a ponta do molhe. Com a ampliação do Molhe Leste em 370 metros, será verificado se eles permanecerão na mesma área ou se passarão a utilizar a nova ponta do longo braço de pedra construído mar adentro.

O Nema foi contratado pelo consórcio responsável pela ampliação para realização de um trabalho que envolve educação ambiental com o propósito de orientação aos operários sobre como agir em relação aos animais, implantação de um protocolo de conduta entre obras e animais e monitoramento semanal para avaliação da população desses mamíferos. O monitoramento objetiva analisar se ocorrem impactos e, caso aconteçam, fazer as medidas corretivas.

CLETO 070

Segundo o oceanólogo Kléber Grübel da Silva, durante os mais de dois anos de obras, houve boa convivência entre os operários que nelas atuam e os animais. “Do ponto de vista do projeto, estamos conseguindo êxito no desafio, que é manter a população de leões e de lobos no Revis com mínimo impacto, viabilizando a ampliação dos Molhes da Barra do Rio Grande que é uma necessidade socioeconômica do País”, destacou o oceanólogo.

CLETO 185 CLETO 199 Nem mesmo o movimento intenso das obras atrapalha o descanso dos animais

 

No Porto de Imbituba as Baleias Francas são monitoradas

Com a chegada das baleias da espécie franca ao litoral catarinense e as atividades de ampliação e melhoria de infraestrutura na área portuária, teve início em julho a segunda edição do Programa de Monitoramento das Baleias Francas no Porto de Imbituba e adjacências.

O programa foi proposto pela administração do Porto, em conjunto com o Tecon Imbituba e a Construtora Andrade Gutierrez a fim de minimizar possíveis interferências no processo reprodutivo das baleias franca neste local. “É nossa atribuição legal zelar pela recuperação populacional desta espécie. A partir das conversas com o Porto, a situação tornou-se uma referência na conciliação de expansão portuária e proteção ao meio ambiente. E isto foi feito de forma exemplar porque o empreendedor se dispôs a considerar a necessidade”, afirmou a Chefe da APA da Baleia Franca, Maria Elizabeth Carvalho da Rocha. “O Programa de Monitoramento nos dá a segurança de que nossas atividades, não interferem no comportamento e na preservação da espécie que é símbolo da nossa cidade”, disse o Administrador do Porto de Imbituba, Jeziel Pamato de Souza.

 

KarinaGrochVoo_2 FiFepNeste ano a previsão é que sejam avistadas 100 baleias que são monitoradas por terra, pelo mar e pelo ar

Adultos_ago2006

São três as áreas monitoradas pela equipe do Projeto Baleia Franca. Com um sistema de bandeiras e a comunicação instantânea por meio de rádios, as equipes de monitoramento informam sobre o posicionamento, a velocidade e a direção de deslocamento dos animais no entorno do Porto de Imbituba, a fim de que as atividades sejam paralisadas imediata e momentaneamente caso uma baleia franca entre na Área de Segurança, que compreende o raio de 2km a partir da fonte geradora de ruído, no caso, o bate-estacas. “Conseguimos executar 73% do trabalho que estava previsto para o período em que tivemos o monitoramento. É um número extremamente eficiente quando o valor agregado é a nossa responsabilidade com a questão ambiental”, afirmou Bruno Figurelli, superintendente do Tecon Imbituba.

 

 

 

 

Ficha Técnica

Reportagens e produção:Diniz Júnior

Edição: Guga V_W

Revisão: Fabíola Germano

Tradução: Eloá Ribeiro Galante

Fotos Projeto Botos da Furg: Pedro Fruet

Fotos Baleias Francas/Imbituba: Equipe do Projeto Baleia Franca

Fotos Botos na Dinarmarca: Solvin Zankl,Fjord&Baelt

Fotos lobos e leões marinhos: CBPO