Portos do Sul disputam exportação de frango

0
641
IMPRIMIR

151230-complexo-portuario-itajai
Buscando retomar a liderança nacional nos embarques, os terminais privados que atuam em Itajaí reforçam investimentos

A produção nacional de frango eleva a pressão sobre os portos. Terminais espalhados por Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul travam disputa entre si pelos contêineres carregados com a proteína branca, visando maior participação de mercado. O quadro motiva investimentos do setor para reforçar a infraestrutura, ao mesmo tempo em que amplia as opções de escoamento da cadeia produtiva nos três estados, conferiu a Expedição Avicultura 2015 em roteiro pelas principais zonas portuárias do Sul.

O crescimento no abate de aves (3,5% em 2015) e o câmbio favorável às vendas externas dão lastro para as exportações subirem 4%, chegando a 4,1 milhões de toneladas de janeiro a dezembro, conforme a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). “Nós só refletimos a pujança da cadeia produtiva. O produtor é que nos dá condições para crescer”, pontua o diretor superintendente do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), Juarez Moraes e Silva.

O terminal paranaense desbancou o porto de Itajaí (SC) neste ano, assumindo a liderança nacional. Escoou 1,3 milhão de t de frango, 12,8% a mais que o volume de 1,1 milhão do porto catarinense (jan-nov) e 6,3% além de seu resultado geral de 2014.

Com acesso ferroviário, Paranaguá se beneficia da limitação de espaço para entrada de navios e do clima desfavorável a Itajaí. “Mantivemos o mesmo perfil de movimentação de cargas, mas a chuva intensa, potencializada pelo El Niño, prejudicou”, relata o assessor da superintendência do porto catarinense, Heder Moritz. Os rios fazem correnteza e dificultam a entrada dos navios na baía onde ficam os terminais.

Contra-ataque

Buscando retomar a liderança nacional nos embarques, os terminais privados que atuam em Itajaí reforçam investimentos. A APM Terminals afirma ter R$ 180 milhões disponíveis para investir, dependendo apenas de garantias governamentais para executar as obras (leia ao lado). “Com isso podemos ampliar facilmente entre 15% e 25% nossa movimentação”, afirma o gerente comercial da empresa, Felipe Kaufmann. No outro lado do rio, em Navegantes, a Portonave já tem um projeto de expansão pronto, dependendo apenas do aumento na demanda para iniciar as obras.

No mesmo contexto, o TCP pede prorrogação da concessão para investir R$ 1,1 bilhão até o final da década.