O primeiro caminho aberto por terra entre o Brasil e o Uruguai foi obra de um Bandeirante, que também foi embrião do tropeirismo

0
16
IMPRIMIR

Francisco de Brito Peixoto é seu nome, foi um bandeirante vicentista e nasceu no ano de 1650, em Santos-SP. Filho de Anna da Guerra do Prado e de Domingos de Brito Peixoto.

Seu pai foi filho e neto dos povoadores da Capitania de São Vicente (atual Estado de São Paulo/SP), que partiu do Porto de Santos para desbravar o sul brasileiro no fim do século XVII, junto dos filhos Sebastião de Brito Guerra e o próprio Francisco, mais de 60 homens, com armas, munições, mantimentos e ferramentas, fundaram a Vila de Santo Antônio dos Anjos da Laguna (atual município de Laguna/SC), no ano de 1676, conforme escritos de Francisco.

Francisco como fundador, ficou em Laguna e, mais tarde, entre 1715 e 1718, com recursos próprios explorou, descobriu, tomou posse e iniciou o povoamento dos campos do Rio Grande de São Pedro do Sul (hoje Estado do Rio Grande do Sul) para a coroa portuguesa, e fez a ligação por terra de Laguna a Rio Grande, a Maldonado, à Colônia do Sacramento e a Montevidéu.

Francisco aliado aos indígenas minuanos do pampa iniciou os primeiros movimentos pecuários de origem luso-brasileira na região platina.Numa atitude corajosa ante os castelhanos de Buenos Aires, estabeleceu seu comércio e mandou seus homens para a Colônia de Sacramento, logo a frente, de possessão portuguesa, onde explorou o comércio de gados, mulas, cavalares e couro, a fim de introduzir em São Paulo, inaugurando assim o primeiro caminho entre Sacramento e Laguna e o primeiro movimento de integração da Região do Prata ao Brasil, no caminho que percorria entre Sacramento-Laguna-Paranaguá-Curitiba-Sorocaba-São Paulo.

Pelas notícias dos consecutivos sucessos de suas empreitadas aliados aos indígenas minuanos na condução de gados e muares, novos bandeirantes focaram suas investidas no novo movimento que surgia, a fim de introduzir o muar em São Paulo e na região das Minas. Como Francisco de Souza e Faria, e Cristóvão Pereira de Abreu que desce com uma tropa de bandeirantes, um dos quais tivera contato pessoal com o bandeirante Francisco de Brito Peixoto, que já reunia tropas de mulas e de gados para comércio e condução desde Sacramento.

Passados anos, já em 1726, o bandeirante deixou uma carta para o Rei de Portugal a respeito das terras conquistadas e a relação com os indígenas da região:No ano de 1726, Francisco de Brito Peixoto escreveu para o Rei:

“Mandei no serviço de S.M. que Deus Guarde, para o Rio Grande de São Pedro 31 homens à minha custa, e por capitão deles o meu genro João de Magalhães, a quem ordenei que chegando à paragem do Rio Grande escolhessem algum lugar que fosse mais conveniente para formarem as suas casas em forma de povoação e logo façam canoas de pau, suficientes para serventia de passagens de gado, encomendando-lhes também aquele zelo e diligência de passarem gado para esta parte da nossa campanha para a multiplicação, pois é um grande serviço que se faz a EI-Rei Nosso Senhor, enxotando-o para o meio da campanha para o dito gado tomar posse (…) Também se me oferece dizer a Vmc. que já desta banda do Rio Grande se acham 800 reses de gado vacum que mandei buscar das campanhas à minha custa (…) por entender que nisso fazia serviço a S.M. que Deus Guarde, para a multiplicação na campanha desta parte, e por não haver nela gado algum e ter capacidade para nela estarem milhões de gado, e na diligência de conduzir mais estou sempre (…) Também digo a Vme. que tenho adquirido a boa amizade dos índios minuanos (…) e ser conveniente ao real serviço a amizade destes gentios, por estarem as campanhas francas para delas se tirar quanto gado quiserem.

Com essas notícias a Coroa passou a investir a partir de 1732 em Sesmarias, dando início ao povoamento luso-brasileiro em terras platinas.Nunca se casou oficialmente, mas cm Sevirina Dias, indígena Carijó, teve três filhos: Ana, Maria e Sebastião, todos “de Brito Peixoto”. Com outra índia teve mais quatro filhos (Domingo Leite Peixoto, Victor de Brito, Ana da Guerra e Catarina de Brito). Com Paula Dias do Prado, teve o filho Luis de Brito Peixoto, deixando grande descendência em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Uruguai.

Foi preso por ordem do Capitão-Mor Manuel Manso de Avelar, provavelmente por motivação política – já que denunciava os contrabandos na região. Foi liberado em 1º de fevereiro de 1721, quando recebeu do rei João V de Portugal a carta patente de Capitão-Mor das terras de Laguna, da Ilha de Santa Catarina e do Rio Grande de São Pedro, por três anos.

Substituindo Bernardo Cavalcanti de Mello, tornou-se Comandante da Ilha de Santa Catarina, para o período de 1721 a 1728, e governou-a de 1º de fevereiro de 1721 a 25 de outubro de 1724. Interinamente, assumiu a administração, Augusto Xavier de Carvalho.Depois do episódio, Francisco prendeu Avelar, remeteu-o para a vila de Santos, onde teve seus bens confiscados após inquérito.

Em 1732, solicitou ao Rei de Portugal concessão de campos e terras de Garopaba/SC até o rio Tramandaí/RS, por seu empenho, posses investidas e serviços prestados à coroa, mas recebeu uma Sesmaria de Légua e Meia em Quadro.

Faleceu em 31 de outubro de 1735, em Laguna/SC, cidade que fundou. Seus restos mortais estão no altar principal da Igreja Matriz Santo Antônio dos Anjos, construída por ele na freguesia em 1696.

Com tais feitos Francisco de Brito Peixoto é considerado um dos maiores bandeirantes de São Paulo, pela iniciativa de tornar a região platina como parte do Império Português, como por ser o precursor dos primeiros movimentos tropeiros do Brasil.

Possui estátuas em sua homenagem no Museu Paulista do Ipiranga, e na cidade que fundou(Laguna-SC).