Noruega inicia construção do primeiro túnel para navios do mundo em uma revolução marítima

0
28
IMPRIMIR
Com 1.700 metros de comprimento, 37 metros de largura e 50 metros de altura, o túnel não apenas impressiona por suas dimensões mas também pelo seu propósito inovador

Em um empreendimento pioneiro, a Noruega está em construção do primeiro túnel para navios do mundo, um projeto monumental que promete transformar a navegação marítima e reforçar a segurança no transporte comercial e turístico. Localizado no trecho de mar de Stavet, onde o Mar do Norte encontra o Mar da Noruega, o túnel é uma resposta direta aos desafios impostos pela natureza nesta área notoriamente difícil de navegar.

Com 1.700 metros de comprimento, 37 metros de largura e 50 metros de altura, o túnel não apenas impressiona por suas dimensões mas também pelo seu propósito inovador. Ao permitir uma passagem segura por uma das áreas mais tempestuosas e imprevisíveis, a construção busca minimizar os riscos enfrentados pelos marinheiros e otimizar o fluxo de comércio marítimo. A região do Mar de Stavet, conhecida por suas condições adversas que podem prevalecer por até 110 dias ao ano, tem sido um obstáculo significativo para a navegação segura, com histórico de naufrágios que datam de séculos.

A construção do projeto, que está previsto para ser inaugurado em 2026, enfrenta desafios únicos, desde a perfuração e explosão necessárias para abrir caminho no terreno rochoso até a implementação de sistemas técnicos capazes de suportar as condições marítimas extremas. A obra requer a remoção de aproximadamente 3 milhões de metros cúbicos de rocha, utilizando métodos de construção que respeitam o delicado equilíbrio ambiental da região.

A ideia de um túnel desse tipo remonta a 150 anos, com propostas que evoluíram desde a transposição de barcos por vias ferroviárias até o atual conceito de túnel navegável. Após diversos estudos de viabilidade e inclusão no plano nacional de transportes em 2013, o governo norueguês concedeu permissão para o início dos preparativos em 2021, com a licitação do projeto programada para 2024.