Nenhum país faz o suficiente para restringir o aquecimento global a 2ºC

0
360
IMPRIMIR

Redactie Portugees Redactie Portugees

Início

Todos os anos a ONG alemã Germanwatch e a Climate Action Network Europe examinam as políticas climáticas de vários países em seu Índice de Proteção do Clima. Divulgado na terça-feira em Durban, durante a Cúpula do Clima da ONU, o balanço deste ano revelou que nenhuma nação do mundo faz o suficiente para restringir o aquecimento global a 2ºC. Para que essa situação mude, os ambientalistas apelam para que  os Estados da União Europeia elevem suas metas de redução para os  próximos anos de 20% para 30%.

Por conta dos péssimos resultados, os três primeiros lugares do índice costumam ficar em branco. A quarta e, portanto, melhor colocação coube este ano à Suécia. Em quinto e sexto lugar ficaram Grã-Bretanha e Alemanha, respectivamente.

Holanda Surpreendentemente, o novo país-problema da política climática europeia é a Holanda, que, devido à elevação de suas emissões de CO2 foi rebaixada em 12 colocações no índice, que considera tanto o volume e a tendência das emissões quanto uma avaliação da política climática nacional. A Holanda agora aparece na 42a posição.

Brasil, Índia e China O Brasil, por sua vez, caiu do quarto e melhor lugar no ranking anterior para o sétimo, devido ao acréscimo das emissões na produção de energia. A partir do próximo ano, a Germanwatch pretende incluir no índice também as emissões decorrentes do desmatamento, o que deve fazer o Brasil ocupar uma posição bem pior, sobretudo devido às atuais discussões sobre o novo Código Florestal, que podem ter consequências negativas sobre as emissões brasileiras.

A Índia caiu mais ainda do que o Brasil: do 10º para o 23º lugar, pelo aumento das emissões de CO2. Mas considerando as emissões per capita dos países emergentes, a Índia é a que se sai melhor. Entretanto, assim como nos outros grandes países em desenvolvimento, a tendência das emissões é muito preocupante.

Mais negativo foi o desempenho do maior emergente do mundo, a China: 57º lugar entre as 61 nações examinadas. Embora implemente algumas políticas muito boas, como o fomento às energias renováveis, a China ainda não está vendo os resultados disso e suas emissões continuam aumentando. Últimos do ranking Os últimos lugares da lista são ocupados por Arábia Saudita, Cazaquistão e Irã. Estes países não só apresentam altas emissões per capita como não têm nenhuma norma em vigor para limitar a emissão de gases estufa.

Fonte: Deutsche Welle e Germanwatch