Melhorar a segurança dos navios de pesca para salvar vidas

0
72
IMPRIMIR
Tratados internacionais como a Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS) estão em vigor há décadas para o transporte comercial, incluindo navios de carga e de passageiros

O marisco é uma refeição muito procurada e nutritiva para milhões de pessoas em todo o mundo – e uma proteína alimentar essencial em muitos países em desenvolvimento.O número total de navios de pesca no mundo é estimado em cerca de 4,6 milhões. A maioria destes são pequeno. Cerca de 64.000 navios de pesca de 24 metros de comprimento ou mais operam em águas marinhas.

Mas a pesca é uma das profissões mais perigosas do mundo. Estima-se que milhares de pescadores perdem a vida a cada ano. É por isso que a IMO trabalha há muitos anos, juntamente com outras partes interessadas, para melhorar a segurança dos navios de pesca e salvar vidas no mar.

Este trabalho também contribuirá para a batalha contra a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (IUU).

Por que as embarcações de pesca não são cobertas pelo tratado de Salvaguarda da Vida Humana no Mar da OMI, SOLAS?

Tratados internacionais como a Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS) estão em vigor há décadas para o transporte comercial, incluindo navios de carga e de passageiros. O SOLAS inclui uma série de regulamentos que são aplicáveis ​​a todos os navios, como o capítulo V do SOLAS, sobre segurança da navegação. No entanto, muitos outros regulamentos SOLAS prevêem uma isenção para os navios de pesca.

Ao contrário de outros navios mercantes, que carregam carga em um porto e depois a carregam para descarregar em outro porto, os navios de pesca partem para o mar sem carga, pescam e voltam para o porto com suas capturas de peixe. Alguns arrastões maiores e navios-fábrica congelam, processam e estanham peixe no mar.

A IMO tem trabalhado para abordar a segurança de embarcações de pesca por muitas décadas. Em colaboração com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a IMO desenvolveu e reviu uma série de instrumentos não obrigatórios que abordam a concepção, construção e equipamento de embarcações de pesca, incluindo:

  • Código de Segurança para Pescadores e Embarcações de Pesca, 2005;
  • Diretrizes Voluntárias Revisadas para o projeto, construção e equipamento de pequenas embarcações de pesca, 2005;
  • Recomendações de segurança para embarcações de pesca enfeitadas com menos de 12 metros de comprimento e embarcações de pesca sem tanque; e
  • Diretrizes de Implementação da Parte B do Código, as Diretrizes Voluntárias e as Recomendações de Segurança (Diretrizes de Implementação).

Em 1977, a IMO adotou a Convenção Internacional de Torremolinos para a Segurança de Embarcações de Pesca, que foi posteriormente modificada pelo Protocolo de Torremolinos de 1993. Como ambos os tratados não haviam entrado em vigor, a OMI adotou posteriormente o Acordo da Cidade do Cabo de 2012, para pôr em vigor as disposições dos tratados anteriores.

O Acordo da Cidade do Cabo inclui exigências internacionais obrigatórias para estabilidade, construção e condições de navegabilidade associadas de navios de pesca de 24 metros de comprimento ou mais, bem como requisitos para equipamentos salva-vidas, equipamentos de comunicação e proteção contra incêndio.

Deve-se notar que os regulamentos MARPOL da IMO para a prevenção da poluição por navios se aplicam aos navios de pesca, incluindo regulamentos para a prevenção da poluição por navios, que proíbem a descarga de lixo e resíduos operacionais, incluindo artes de pesca , no mar. .

Então, qual é o Acordo da Cidade do Cabo?

O Acordo da Cidade do Cabo de 2012 é um instrumento internacionalmente vinculativo. O Acordo inclui exigências internacionais obrigatórias para estabilidade e condições de navegabilidade associadas, máquinas e instalações elétricas, equipamentos salva-vidas, equipamentos de comunicação e proteção contra incêndio, bem como construção de embarcações de pesca.

O Acordo da Cidade do Cabo de 2012 visa facilitar um melhor controlo da segurança dos navios de pesca pelos Estados de pavilhão, porto e litoral. Espera-se também que contribua para a luta contra a pesca INN.

O tratado entrará em vigor 12 meses depois que pelo menos 22 Estados, com um total de 3.600 embarcações de pesca de 24 m de comprimento e operando em alto mar, expressaram seu consentimento em ficarem vinculados a ele. Até à data (junho de 2018), 10 países ratificaram o Acordo da Cidade do Cabo: Bélgica, Congo, Dinamarca, França, Alemanha, Islândia, Países Baixos, Noruega, Saint Kitts e Nevis e África do Sul. Entre eles, eles têm um total de 1.020 navios de pesca de comprimento igual ou superior a 24 m que operem no alto mar.

LEIA MAIS ACESSANDO A PÁGINA DA IMO