Mancha de lama da Samarco vai se espalhar por 9 km no mar, diz ministra

0
832
IMPRIMIR
737589258-rio-doce1
As áreas marinhas mais próximas à foz terão impacto grave em biodiversidade e recursos pesqueiros, e a maior preocupação é região de estuário, quando o rio passa perto de Linhares (ES)

Rafael Garcia Do G1, em São Paulo

A mancha de lama proveniente do rompimento das barragens da mineradora Samarco deve se espalhar por uma extensão de 9 km quando chegar ao mar, após descer toda a calha do Rio Doce e desaguar na costa do Espírito Santo.

A estimativa, feita pelo grupo de pesquisa do oceanógrafo Paulo Rosman, da UFRJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), foi divulgada hoje pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. O pesquisador aplicou um modelo matemático aos dados de dispersão da lama no rio até agora.

“Os dados preliminares de dispersão indicam que a pluma de lama chegará até 3 km ao norte e 6 km para o sul, porque as correntes marinhas ali seguem para o sul”, afirmou a ministra em entrevista coletiva nesta manhã em São Paulo.

Segundo Izabella, essa previsão descarta qualquer possibilidade de impacto ambiental da lama no arquipélago de Abrolhos (250 km ao norte da foz do rio Doce) e nos manguezais da região de Vitória (120 km ao sul). Pela alta concentração de biodiversidade, essas duas áreas eram as de maior preocupação.