Indústria marítima pede à IMO definições para questões de limite de enxofre

0
102
IMPRIMIR
Uma pesquisa informal da sociedade classificadora ABS revelou que 53% dos proprietários entrevistados disseram que suas frotas não estavam prontas para atender ao limite de enxofre.

As principais organizações do setor de transporte marítimo pedem que os países-membros da Organização Marítima Internacional (IMO) façam progressos em questões-chave relacionadas ao limite de enxofre de 2020.

A Bimco, a Câmara Internacional de Navegação (ICS), a Intertanko e a Intercargo enviaram uma série de sugestões no Subcomitê de Prevenção e Resposta à Poluição da IMO, que se reúne durante a semana que se inicia em 9 de julho, procurando assegurar a implementação do limite global de 0,5% de enxofre sem comprometer a segurança ou penalizar injustamente navios individualmente.

Em uma declaração conjunta, as organizações disseram que a indústria estava “totalmente comprometida” com a implementação bem-sucedida do limite de enxofre, mas que a introdução de Áreas de Controle de Emissões exige uma regulação global complexa.

 

“A indústria reconhece que, em um sentido legal, não haverá período de transição após 1º de janeiro de 2020. Mas algo dessa magnitude nunca havia sido antes experimentado em todo o mundo”, disseram as institucioções.

“A indústria fará o máximo para ser totalmente compatível na medida em que isso está sob seu controle. Mas a implementação segura e bem-sucedida exigirá o fornecimento de combustíveis em portos ao redor do mundo, compatíveis e legalmente compatíveis .”

As propostas copatrocinadas na reunião de julho incluem padronização de implementação nos navios, com muitas ações que precisam ser consideradas para ser obtida conformidade. E uma abordagem prática e pragmática dos Estados Membros da IMO ao verificar a conformidade de 0,5% de enxofre.

Estão listadas ainda: implicações de segurança associadas aos combustíveis para 2020 e seus respectivos desafios; um projeto de norma para relatar a indisponibilidade de óleo combustível; propostas de alterações ao anexo VI da MARPOL para exigir pontos de amostragem para o combustível; questões relacionadas à verificação e mecanismos de controle e ação.