Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte

0
412
IMPRIMIR
As perspectivas de crescimento da produção de grãos em Mato Grosso e no Pará, aliadas às melhorias na BR-163, motivarão novos investimentos – a capacidade conjunta dos cinco portos poderá chegar a 53 milhões de toneladas já em 2024 – e o volume adicional a ser escoado pelos cinco portos poderá crescer 10% ao ano e chegar a 23 milhões em 2028, quase o dobro que o total do ano passado.

O Brasil deverá suprir 45% do aumento das importações mundiais de soja e milho na próxima década, e quase 60% desse volume adicional sairá do país por portos da região Norte, sinaliza estudo recém-concluído pela consultoria Bain & Company.

No horizonte desenhado pela companhia, as importações globais desses grãos serão, no total, 135 milhões de toneladas maiores em 2028 do que foram em 2018, e o incremento das exportações brasileiras alcançará cerca de 40 milhões de toneladas.

Conforme o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), os embarques mundiais de milho atingiram 148,7 milhões de toneladas na safra 2017/18, ao passo que os de soja chegaram a 153 milhões.

No milho, o Brasil colaborou com 25,1 milhões de toneladas (16,9% do total) e foi o segundo maior exportador, atrás dos EUA, enquanto na soja foram 76,2 milhões (49,8%) e o país liderou o ranking, à frente dos americanos.

Se confirmado, o cenário previsto pela Bain & Company para as exportações brasileiras de ambos os grãos nos próximos dez anos não só ampliará essas participações como tornará mais equilibrada a logística de escoamento entre Norte/Nordeste e Sul/Sudeste.

Fonte: Valor