Estudante irlandês descobre como usar ímãs para erradicar microplásticos dos oceanos!

0
25
IMPRIMIR
O método de Ferreira consiste em misturar óxido de ferro magnetizado e óleo vegetal, criando uma substância que atrai as partículas de plástico. Este “ímã líquido” coleta microplásticos que podem ser removidos da água por magnetismo

O jovem inventor irlandês Fionn Ferreira desenvolveu uma solução inovadora para combater a poluição por microplásticos nos oceanos. Utilizando um composto conhecido como ferrofluido, Ferreira criou um método eficaz que emprega ímãs para atrair e remover essas pequenas partículas nocivas da água.

Invenção promete erradicar microplásticos dos oceanos em dois anos

Os resultados coletados por Ferreira foram impressionantes, com taxa de eficiência de 87%. Sua invenção foi premiada em Feira de Ciência do Google, rendendo ao inventor irlandês o primeiro prêmio e bolsa de estudos de US$ 50 mil (R$ 247,89 mil em conversão direta). A invenção de Ferreira não se resume apenas a testes de laboratório.

O inventor está atuando em um dispositivo que utiliza o mesmo método de extração magnética para capturar os microplásticos dos oceanos em canos, possibilitando sua implementação em residências e navios. Vendendo este tipo de dispositivo em dois anos, o inventor espera combater o problema crescente da poluição por microplásticos dos oceanos. A presença de plásticos no oceano é um problema ambiental grave.

A expectativa é que cerca de 10 milhões de toneladas de plástico, incluindo microplásticos, são despejados nos oceanos todos os anos. Esses resíduos, uma vez na natureza, demoram mais de 400 anos para se decompor.

Com a estimativa de aumento na produção de plásticos, a situação pode piorar ainda mais. Além de representarem uma ameaça visível para os animais, como se prenderem em pedaços maiores de plástico, os microplásticos no oceano causam danos mais insidiosos.

Vale destacar que eles estão presentes não apenas nos oceanos, entretanto, em corpos de água doce, como rios e lagos. Essas partículas são consumidas por animais aquáticos e acabam chegando à nossa alimentação, tornando-se preocupação para a saúde humana.