>Entrevista Lauro Barcellos, diretor do Museu Oceanográfico do Rio Grande/ RS

0
631
IMPRIMIR
>

Por Mirela Pinho
No Jardim do Museu Oceanográfico, o pesquisador Lauro Barcellos, recebeu-nos para uma entrevista. O oceanólogo é diretor do Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), onde trabalha desde 1974. O museu é o único do gênero na América Latina. Aos 51 anos, Lauro é um dos mais respeitados cientistas da área marítima e do meio ambiente no Brasil. Graduou-se em oceanologia pela Fundação Universidade do Rio Grande em 1981. Barcellos conquistou um currículo admirável: estudou Ecologia Bentônica na Duke University na Carolina do Norte (EUA), Oceanografia e Museologia no Naturmuseum Senckenberg, em Frankfurt (Alemanha). Fundou, em 1997, o Museu Antártico e, em 1999, o Eco-Museu da Ilha da Pólvora, que formam o complexo de Museus Universitários da FURG.

Na data em que é comemorado o Dia internacional dos Oceanos (foi declarado pelas Nações Unidas na conferência sobre ambiente e Desenvolvimento em 1992), Lauro Barcellos faz um alerta: a humanidade deve ter mais respeito pelos oceanos, sob pena de eles não gerarem mais vida. Ele também abordou as emissões de CO2 na atmosfera, as alterações climáticas no mundo e diz que é necessário encontrar um caminho para melhorar o comportamento da humanidade.

A questão do aumento da temperatura da Terra que está sendo provocada por ações do homem como a queima de combustíveis fosseis. Muitos cientistas afirmam que já chegamos ao limite, que agora não há como evitar uma catástrofe no clima. Você concorda com essa tese? Realmente, já é tarde demais?


Lauro Barcellos: O combustível que é queimado de forma geral com essa quantidade gigantesca de automóveis, de viaturas que se deslocam por toda a Terra e a própria geração de energia elétrica, que é tão necessária para a humanidade, provoca superimpacto na atmosfera. A atmosfera é um espaço que tem capacidade de saturação limitada que, em algum momento, será ultrapassada, ocasionando, assim, abalos negativos sob a vida do Planeta.

Podemos associar várias alterações climáticas a esses impactos provocados pelo homem, principalmente esses que são gerados pelos cidadãos de cada comunidade, capazes de contribuir para essa alteração e essa realidade na qual vivemos. Não se pode dizer se é cedo ou tarde, porque, quem se arrisca a dizer isso, necessita de muito conhecimento e de muita informação.

A humanidade passou dos limites e está muito despreparada para uma condição que acreditamos ser a ideal. Sabemos o que está acontecendo em países onde as populações são muito grandes, por exemplo, a degradação ambiental da China é uma das mais intensas e brutais de que se tem conhecimento.

A força que é feita sobre o Planeta causa grande impacto. Entretanto, a natureza vai reagir no seu tempo e na sua velocidade. Não podemos esquecer que a Terra tem 4 bilhões e 600 milhões de anos, então, somos muito recentes nesse planeta para degradá-lo dessa forma.

Seria necessário mudar a matriz energética mundial? É preciso ser radical e abraçar, até mesmo, a opção da energia nuclear?

Barcellos: É necessário evitar a energia nuclear pelos potenciais perigos que ela oferece. Seria importante buscar mais a utilização da energia solar, da energia dos ventos, da energia do hidrogênio. Na Islândia, já foram lançadas embarcações movidas a hidrogênio, cujo escapamento libera água. Para a produção de hidrogênio é necessária muita energia elétrica e nem todos os países, nem todas as economias suportariam um processamento de hidrogênio dessa ordem. A utilização de fontes mais limpas de produção de energia é a única garantia que o Planeta dispõe de não ser tão degradado como está sendo nos dias de hoje.

Em relação à poluição dos mares, ao derramamento de óleos pelos grandes navios petroleiros, que impacto isso está trazendo para o ambiente?

Barcellos: Os oceanos são tratados como grandes latas de lixo. A humanidade não percebe e vai custar muito a perceber que existe uma capacidade limite de carga desses ambientes. É preciso encontrar um caminho que melhore o comportamento das pessoas, pois é um desrespeito aos oceanos lançar indevidamente cargas de óleo na água, despejar lixo no mar, reduzir a forma brutal de interagir com a natureza. Nós, que estudamos Oceanografia, sabemos que existe um limite de suportabilidade, tanto que em muitas áreas do oceano já não há mais vida. As zonas costeiras do Brasil são desordenadamente ocupadas e devastadas, assim, suas riquezas não são utilizadas de forma a favorecer o meio.

O Banco Mundial dispõe de um programa para tentar reduzir as emissões de poluentes pelos queimadores de gás natural em instalações petrolíferas. O volume de emissões pelas plataformas de petróleo varia entre quatro e sete milhões de toneladas por ano. A Petrobras diz que a queima é inerente ao processo de produção de petróleo. Na sua opinião, existe um modo de reduzir toda essa emissão de carbono mesmo com um programa com esse objetivo?

Barcellos: A Petrobras tem um programa de controle de emissões de gás carbônico de CO2. É um programa bastante ambicioso de investimentos substanciais nessa área, com grande compromisso, pois é de grande responsabilidade o impacto da indústria petrolífera na Terra. Esse investimento mostra a preocupação com a necessidade de reduzir esse impacto, fazendo um grande esforço para a redução dessas emissões, para o controle e para o armazenamento do CO2. Tudo isso faz parte de um grande programa de pesquisa de ação dessa companhia.

Os oceanos estão mais ácidos devido ao excesso de CO2 na atmosfera, assim, os bancos de corais do Planeta já foram arruinados em 60%. Qual sua posição sobre isso? O que pode ser feito para reverter essa situação?


Barcellos: A carga de poluição dos oceanos é uma carga difusa. O que se enxerga é o lixo, o objeto na beira da praia, a presença de lixo de inúmeras partes do mundo. A poluição que chega aos mares é que alcança a alimentação dos albatrozes, fazendo ocorrer problemas na construção na parede dos ovos porque a casca fica muito frágil. Um exemplo muito comum de acontecer é o óleo que foi derramado lá no sul da Argentina, poder estar presente em águas brasileiras, mas ele é invisível e não podemos constatar a presença dele. Essa poluição é causada em um lugar específico, misturou-se com algumas águas de outras regiões e está atingindo os bancos de corais, uma vez que alterou o PH da água. Para isso, são necessários os programas de monitoramento. Eles servem para medir essas operações, para quantificar o que está acontecendo, determinando, assim, uma forma de ação.