Energia de Noronha virá da força das águas

0
820
IMPRIMIR
Por causa de suas ondas, Fernando de Noronha, em Pernambuco, é o paraíso dos surfistas

A energia de Fernando de Noronha, paraíso ecológico e turístico de Pernambuco, virá do mar, do ar, do sol e até do lixo produzido por seus moradores e visitantes.

É o que promete o projeto de substituição da matriz energética da ilha, que prevê a troca dos geradores atuais, que consomem 310 mil litros de diesel por mês, por fontes limpas e renováveis, até 2014.

Do ar de Noronha, será aproveitado o vento, que movimentará 13 pequenas usinas eólicas. A luz do sol será captada por duas placas fotovoltaicas, e os resíduos sólidos das seis toneladas de lixo produzidas por dia na ilha serão incinerados, de forma controlada, para produzir gás e energia elétrica.

A maior novidade virá do mar. Uma usina desenvolvida na Finlândia vai gerar energia a partir do movimento das águas. Duas placas confeccionadas em fibra de carbono ou vidro, com 200 m² cada uma, serão instaladas a 20 m de profundidade.

Impulsionadas pelo vaivém das correntes em direção à costa, elas produzirão, de forma contínua, 1 mW de energia, o equivalente a 43% do consumo atual de Noronha, estimado em 2,3 mW.

Juntas, as outras fontes produzirão mais 1,2 mW. Para reduzir o consumo na ilha e adequá-lo à produção, pequenas unidades solares e eólicas já estão sendo instaladas nas pousadas locais.

Os projetos, segundo a Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco, consumirão R$ 44 milhões, sendo R$ 25 milhões apenas com a usina marítima. Parte dos recursos virá da Chesf (Companhia Hidrelétrica do São Francisco) e outra parte, do governo do Estado.

A primeira usina limpa a funcionar será a de gás neste ano. Em 2013, deverão entrar em operação as unidades eólicas e solares. E, no ano seguinte, a usina marítima.

Para o coordenador da campanha de energia renovável do Greenpeace, Ricardo Baitelo, o projeto, “no papel, parece ótimo”.

Doutor em planejamento energético pela USP, Baitelo diz, porém, que será preciso “muito rigor” na verificação do impacto dessas obras na fauna e na flora locais.

“Tem que ser o mais exigente possível, porque seria uma catástrofe um problema com a fauna, com a vida marinha, mesmo se a energia for renovável”, afirmou.

“Seria uma publicidade negativa para as fontes que a gente espera que predominem no Brasil, em oposição ao pré-sal.”