Candiota lidera ranking das cidades que mais emitem gases de efeito estufa no Rio Grande do Sul

0
114
IMPRIMIR

A  primeira edição do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG Municípios), uma iniciativa inédita do Observatório do Clima, apontou que Candiota lidera o ranking das cidades que mais emitem gases de efeito estufa no Rio Grande do Sul. A pesquisa apresenta dados de todos os 5.570 municípios brasileiros. O levantamento cobre os anos de 2000 a 2018 e é detalhado para mais de uma centena de fontes de emissões nos setores de energia, transporte, indústria, agropecuária, tratamento de resíduos e mudanças de uso da terra e florestas.

Esta é a primeira vez que se enxerga as emissões na esfera municipal e a primeira vez que um levantamento desse tipo é feito para um país de grande porte. O objetivo é aumentar o conhecimento de prefeitos, Câmaras de Vereadores e da sociedade local de todo o país sobre a dinâmica das emissões e prover uma ferramenta para o desenvolvimento de políticas de desenvolvimento municipal com redução de carbono.

O levantamento cobre os anos de 2000 a 2018 e é detalhado para mais de uma centena de fontes de emissões nos setores de energia, transporte, indústria, agropecuária, tratamento de resíduos e mudanças de uso da terra e florestas / Jornal Minuano

Segundo o estudo, 95% da emissão de gases, em Candiota, é derivado das termelétricas. O município chega a 2,776,539 toneladas de CO²(GWP AR5). Dom Pedrito aparece em sétimo lugar no Estado, com 1,257,987 toneladas de CO²(GWP AR5), porém a maior emissão é proveniente da agropecuária. O mesmo acontece com Bagé, que aparece em 16º lugar, com a emissão de 844,741, também do setor agropecuário. 

Em Candiota, duas usinas operam o sistema de energia termelétrica: uma da CGT Eletrosul, candiota III (fase C) e, e outra da Engie Brasil, a Pampa Sul. Em 2018, ano base do levantamento, a Pampa sul não havia começado a gerar energia.

O que diz a CGT Eletrobras  

Através de nota, a CGT Eletrosul esclareceu que o Inventário de Emissões de Gases Efeito Estufa (GEE) de 2019, relativo ao ano base 2018, apresenta os valores para a Usina Termelétrica Candiota III (Fase C) da empresa à época denominada CGTEE, calculado pelo consumo medido de combustíveis, em 1.618.914 TCO2e. “Esse montante equivale a 58% do total (2.776.539 TCO2e) relatado pela plataforma SEEG para o município de Candiota. Ou seja, a quantidade emitida pela UTE Candiota III, única térmica da região à época, foi bem inferior ao total divulgado pela SEEG, quando considerado que 95% das emissões totais da cidade seriam referentes à geração de energia, conforme dados da plataforma”, menciona resposta.

Portanto, com base nesta análise, a CGT Eletrosul diz desconhecer o método de cálculo utilizado para estimativas de emissões de GEEs pela plataforma SEEG. “Além disso, não cabe comparar as emissões pela quantidade de habitantes. O principal motivo das emissões atmosféricas no Rio Grande do Sul é a existência de usinas termelétricas a carvão na região de Candiota, devido ao seu potencial energético, por concentrar a maioria do carvão mineral brasileiro, de acordo com informações da Associação Brasileira de Carvão Mineral”, reforça.

A Companhia destacou, ainda, que a Usina Termelétrica Candiota III busca melhorar o desempenho de seu processo industrial alinhado a metas de redução de emissão de gases do efeito estufa.  Tanto que, a partir de março de 2020, a CGT Eletrosul iniciou a operação da Planta de Beneficiamento de Carvão Mineral a Seco, com o objetivo melhorar a qualidade do combustível principal com a redução de emissão de poluentes atmosféricos, ganho de performance e eficiência, com menores emissões de GEEs. “Atualmente, a UTE Candiota III utiliza 100% de carvão beneficiado, com significativos ganhos ambientais, refletidos na diminuição do impacto ambiental das emissões de gases de combustão”, ressalta.

Fonte: Jornal Minuano

“A CGT Eletrosul monitora de forma contínua as emissões atmosféricas na saída da chaminé da UTE Candiota III. Além disso, possui três estações de monitoramento da qualidade do ar, distribuídas estrategicamente na cidade de Candiota, no bairro Dario Lassance, no aeroporto local e na Estância Três Lagoas, com medições registradas a cada hora. Todos os dados são transmitidos em tempo real para o IBAMA. Caso ocorra algum evento nas emissões atmosféricas ou na qualidade do ar, que estejam em desacordo com os limites estabelecidos na Licença Ambiental ou nas resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente, são tomadas providencias operacionais imediatas para mitigar o risco ambiental. No ano de 2020, as emissões totais da UTE Candiota III (Fase C) foram de 1.278.445 TCO2e, representando uma redução de 21% em relação ao ano de 2018.Por fim, ressaltamos que a Eletrobras publica anualmente o seu Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa, disponível no site, com valores das emissões de cada subsidiária. Este inventário segue a metodologia do IPCC (2006) e as diretrizes do Greenhouse Gas Protocol – GHG Protocol (WRI, 2004), sendo ainda auditado pela PricewaterhouseCoopers, empresa independente de auditoria”, conclui o posicionamento oficial.