Cachaçaria mira novos mercados no exterior

0
34
IMPRIMIR
Por ano, a Pitú comercializa no exterior 1,7 milhão de litros, dos quais 1,5 milhão é destinado para o continente Europeu

Alavancar as vendas fora do país conquistando, inclusive, novos mercados. Esta é uma das metas da Pitú para 2019. No ano que acaba de chegar ao fim, as exportações da cachaçaria pernambucana cresceram 39% em volume e 55% em faturamento. A marca se tornou líder na exportação de cachaça, dominando o mercado europeu, sendo a Alemanha o país de maior consumo. Pelo menos 70% do total exportado pela empresa tem como destino a Alemanha. Para o ano que se inicia a aposta será outra: o foco estará nos Estados Unidos.

“Na Alemanha fizemos uma estratégia de colocar promotores no destino e divulgar melhor o nosso produto. Será essa a estratégia que levaremos para os Estados Unidos. Já estamos com promotores no local testando o mercado, mas não investimos pesado neste ano. Em outubro eu estive lá pessoalmente e traçamos um plano conjunto de investimento e ações que iremos realizar para esta praça”, conta a sócia-diretora de Exportações e Relações Institucionais da Pitú, Maria das Vitórias Cavalcanti.

De acordo com Maria das Vitórias, estratégia também será aplicada na Índia. “A diferença é que, diferente dos EUA, na Índia, nossa base ainda é pequena. Porém, é um mercado muito potencial e que estamos trabalhando já há dois anos, conhecendo e estudando o mercado. É um país onde se bebe muito. O desafio é fazer com que eles bebem Pitú pura, que é como eles tomam as bebidas alcoólicas por lá”, detalha. No ranking dos maiores destinos de exportação estão a Alemanha, México e as mais de 40 lojas duty-free espalhadas pelo mundo.

Por ano, a Pitú comercializa no exterior 1,7 milhão de litros, dos quais 1,5 milhão é destinado para o continente Europeu, que desde 1970 engarrafa o produto em Wilthen (Alemanha) e distribui a bebida para todo o continente. Além do velho continente, a indústria também está presente em outros países (Estados Unidos, Canadá, México, Chile, China, Japão, Índia, Israel, Emirados Árabes, Tailândia, Austrália, África do Sul, Angola, Guiana Francesa, Peru, Argentina) e em mais de 40 lojas duty-free espalhadas por todo o mundo.

Os resultados colocam a companhia entre as 20 marcas de bebidas destiladas mais produzidas do mundo, comercializando, em média, 95 milhões de litros de cachaça por ano, dos quais 2% representam as vendas no exterior. “O resultado positivo das exportações em 2018 também foi consequência do câmbio. Nos favoreceu. Somos um produto com uma tendência positiva e de valor agregado”, diz Maria das Vitórias.

Nacional

No Brasil, a Pitú é a aguardente mais consumida nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, a segunda no mercado nacional. Desde o ano passado, a empresa iniciou um projeto de expansão de mercado no Sudeste do país, que tem um grande potencial de consumo mas ainda um mercado pouco explorado pela marca. Em média, a participação do Sudeste é de 3%. Entre os principais desafios para crescimento no Sudeste está o transporte e distribuição do produto, cuja produção acontece em Vitória de Santo Antão.

Fonte: Diário de Pernambuco