A revolução logística chinesa que deixa a Amazon no chinelo

0
547
IMPRIMIR
Funcionário da Suning na área onde os produtos são separados por unidades e guardados em estantes robotizadas de 24 metros de altura.ZIGOR ALDAMA

Gigantes do comércio asiático lideram um processo que mudou para sempre os hábitos de consumo da população: do comércio eletrônico, ao cafezinho

Fazer compras nos supermercados da rede Hema é tão fácil e rápido quanto pedir uma pizza. Usando o aplicativo de celular desenvolvido pela empresa, basta encher o seu carrinho e em no máximo meia hora o pedido está preparado e um mensageiro o leva à sua casa. O mesmo acontece com a comida em domicilio. Empresas desse setor, como Meituan e Ele.me, se popularizaram na China muito antes do Glovo e Deliveroo, e seu volume de negócio faz empalidecer o de qualquer outra companhia.

O Meituan Dianping, por exemplo, supera os 400 milhões de usuários e cinco milhões de restaurantes filiados, administra 20 milhões de pedidos por dia, conta com quase 600.000 entregadores ativos e fechou o primeiro trimestre com um faturamento de 75,6 bilhões de yuans (175,87 bilhões de reais), 38,6% a mais que no mesmo período de 2018. Segundo a empresa, a rapidez de seu serviço — 28 minutos em média — se deve em grande medida aos avanços tecnológicos que adotou. Salienta um deles: o sistema de inteligência artificial que determina em 0,55 milissegundo a melhor rota para um grupo de pedidos.

Assim, não é de estranhar que ruas e estradas estejam tomadas por um enxame de caminhões, caminhonetes e bicicletas elétricas dedicadas à distribuição de todo tipo de produtos. A loucura do envio em domicilio é tal que a última moda é pedir um cafezinho pelo celular. O filão foi aberto pela Luckin Coffee, que busca competir com o Starbucks reduzindo ao mínimo o espaço de seus locais físicos e apostando na entrega em domicílio. No ano passado, vendeu 85 milhões de cafés para mais de 16 milhões de clientes. Em março, já contava com 2.370 estabelecimentos — cuja função é quase exclusivamente fazer os cafés e entregá-los — e pretende alcançar os 4.500 até o final ano. Se conseguir, terá superado o Starbucks, que até setembro do ano passado não oferecia serviço de entrega.

O modelo de negócio dessas empresas chinesas gera muitas dúvidas, porque a maioria está envolta numa concorrência fratricida que se reflete nos balanços, com avultados números vermelhos. É um fato que afugentou grandes multinacionais, como a Amazon, incapazes de abrirem caminho no campo minado que é o mercado chinês. Embora seja possível uma brutal consolidação, como a que varreu dezenas de empresas do setor das bicicletas compartilhadas, é evidente que esta guerra para captar clientes e o salto logístico empreendido pela segunda maior potência mundial mudaram para sempre os hábitos de consumo da população chinesa.

Comprar pelo celular agora é o habitual. Sobretudo entre os jovens. Não só em plataformas locais de comércio eletrônico tipo Amazon, como Taobao ou JD, mas em comércios de todo tipo e tamanho. Tampouco é uma transformação exclusiva das grandes cidades, como acontece frequentemente no ocidente: a rede logística Cainiao, propriedade do Alibaba, já chega a 40.000 localidades. Em 2018, 50 bilhões de pacotes foram despachados na China, cifra que se espera que cresça para 71 bilhões no ano que vem. O Emarketer também prevê que em 2020 o comércio eletrônico na China alcance 2,5 trilhões de dólares, quase um trilhão a mais que a soma do resto do mundo.

LEIA MAIS NO EL PAIS