Indústria quer ajuda do governo para exportar mais

0
788
IMPRIMIR
Entre as prioridades apontadas pela CNI também está a conclusão das negociações com o México e o estabelecimento futuro de livre-comércio com o país, assim como a promoção de novos negócios com a Argentina, hoje mais aberta e menos propensa a medidas restritivas
Entre as prioridades apontadas pela CNI também está a conclusão das negociações com o México e o estabelecimento futuro de livre-comércio com o país, assim como a promoção de novos negócios com a Argentina, hoje mais aberta e menos propensa a medidas restritivas

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) entregou aos ministros das Relações Exteriores, José Serra, e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, uma série de propostas para uma recuperação mais consistente do comércio exterior, como uma forma de atenuar a crise no mercado interno brasileiro.

Batizado de Agenda Internacional da Indústria 2016, o documento propõe medidas para a política comercial, como a busca de acordos com países de fora da América do Sul, apoio ao processo de internacionalização das empresas brasileiras e atração de investimentos.

“Com a retração do mercado interno brasileiro há a necessidade de uma política comercial internacional mais forte”, afirma o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi. “Também precisamos trabalhar para que o País tenha ambiente confortável que permita atrair investimentos locais.”

A agenda lista 32 países prioritários para negociações e acordos A CNI defende, por exemplo, a conclusão de um acordo ambicioso, em termos de comércio e investimentos, entre Mercosul e União Europeia. Também sugere a definição de uma agenda de negociação com os Estados Unidos, por meio da elaboração de relatório de recomendações entre a CNI e sua contraparte americana, a U.S. Chamber of Commerce.